…há alguém mais incompreendido do que eu?!

Útero…esse espaço misterioso. Este órgão tão mal-entendido. Um lugar onde a mágica da vida acontece. Um lugar onde nossas dores, memórias, emoções e vivências se retorcem e se misturam com o nosso sangue menstrual com gritos e prazeres, lágrimas e confissões. Um lugar onde o gozo acontece. Onde a mulher resplandece.

Um espaço a ser desbravado. A ser adentrado por nós. Um lugar para ser lembrado. Um lugar para ser honrado. Um lugar que deveria ser a nossa casa – A CASA DA MULHER.

Ou, o Palácio Celestial, que acho mais belo e muito mais justo. Porque ele é muito mais do que falam. Muito mais bonito do que tão mal-dito.

Este espaço tão profundo. Tão forte que faz com que os bebês venham ao mundo, em contrações que são tão poderosas quanto os tsunamis. E tão suave, como o toque da pétala de uma rosa. E tão magnânimo que pode a te levar a êxtases, inimaginados.

O útero é nosso lar. O graal sagrado que está sedento de vida. Que está renegado as margens da sociedade patriarcal. Limitado. Contido. Controlado. Exposto. Ferido. Abandonado…

…mal consegue se fazer ouvir, sentir, perceber….perdeu seu senso de pertencer…porque as mulheres perderam suas raízes e o útero deixou de ser sua âncora.

Então, ele grita. Ele rasga por dentro. Ele dói. Ele tenta vir e submergir. Ele contrai. Ele não aguenta mais ser sufocado, silenciado e reprimido.

Ele não aguenta mais ser esquecido…

Ele anseia por pertencer. Ele anseia por você. Ele anseia pela casa cheia…e chora, enquanto ela está vazia – DE VOCÊ.

Útero…útero meu….há alguém mais sozinho do quê você?

Nós te vemos. Nós te ouvimos. Nós te abraçamos enquanto você dói. Enquanto você chora. Enquanto você sofre por todas as dores das mulheres de toda a humanidade e de todos os tempos. Trêmulo. Desesperado. Desiludido…

Nós estamos aqui por você. Nós te tocamos. Nós te tateamos. Nós te acariciamos, enquanto restabelecemos este contato tão precioso com nossa essência do feminino mais profunda. Onde nós podemos habitar e nos sentirmos acolhidas e protegidas. Eu te protejo de todo mal, de todos que desejam te controlar, de todos que desejam nos afastar. Não permito mais!

Nós te ouvimos. Eu ouço tuas dores. Eu ouço tuas histórias. Eu ouço sua voz. Eu ouço seu chamado. Eu ouço seu grito. Eu ouço você. Eu permito que você eleve sua voz…não importa como e nem por quanto tempo. Eu estou aqui, sustentando seu falar. Porque assim, minha voz e minhas palavras ganham poder, porque elas vem de você.

Eu estou aqui…eu quero você de volta para mim. Eu quero voltar de volta para casa….você me recebe?

Você merece flores! Banhos! Respeito! Gentileza! Prazer! Carinho! Tesão! Amor! Entendimento! Acolhimento! Reconhecimento! Pertencimento!

No Módulo 6 do Curso Online – Programa A Mulher Cíclica, iremos resgatar o útero da obscuridade e trazê-lo para pertencer em nós e nós pertencermos nele, através da vivência da Mulher Cíclica.

Amanhã, dia 21/07 é o último dia para se inscrever!
Acesse: http://devishala.com.br/cursos/

Imagem: Fanni Fazekas
_________________________________
Copyright © Todos os direitos reservados.
ATENÇÃO: A reprodução parcial ou total deste texto é protegida por Lei. Para usar este texto entre em contato com a autora.

Pin It on Pinterest

Share This