Todas nós mulheres vivemos em estado de total ebulição. Onde partes silenciadas, esquecidas e submetidas estão causando um motim interno. Juntas, estão tentando desesperadamente sair. Já estão assim há muito tempo. Estiveram assim dentro das nossas mães, avós, bisavós e tataravós…e todas as filhas, mães, avós, tias e mulheres de todas as linhagens femininas.

Uma parte de nós sempre gritou em nosso interior. Diversas partes de todas sempre tentou se fazer escutar, falar e nos alcançar. Uma parte de nós sempre permaneceu com a gente nos períodos mais obscuros da história feminina. O feminino sempre esteve ali. Sempre estará enquanto tiver por onde a vida surgir, mesmo quando parece impossível.

O sistema de dominação do patriarcalismo é um paradigma de guerra, de luta, de posse, de dor e violência. Onde o poder é conquista sobre o outro e através do outro eu me fortaleço. É um paradigma de privilégios do homem e de falta de direito para as mulheres. É um paradigma de desigualdade e uma corrente de perpetuação de dor e sofrimento em cadeia. Faz com que não tenhamos direitos reprodutivos dos nossos próprios corpos, que entremos em uma guerra sem fim com nossos ciclos e naturezas, que não saibamos o que fazer com nossas energias femininas, que estejamos sempre em guerra com nossa imagem e umas com as outras…e a lista segue, longa…longa…longa…de mulheres após mulheres sofrendo há tempo demais. Eu não aguento mais ver mulheres sofrendo. Eu não aguento mais ver mulheres sofrendo. Eu não aguento mais ver mulheres sofrendo.

NÃO MAIS! CHEGA!

O feminino, indomável e selvagem, aquela parte dentro da mulher que sempre esteve com ela e que nunca pode ser tocada pelo patriarcalismo, continua lá. Pronta para dar o bote.

É NOSSA PARTE QUE CAUSA INCOMODO.
É NOSSA PARTE QUE CAUSA REVOLTA.
É NOSSA PARTE QUE QUER GRITAR.
É NOSSA PARTE QUE FAZ DOER DE DENTRO PARA FORA.
É NOSSA PARTE QUE FAZ COM QUE RENASÇAMOS DE NOVO E DE NOVO.
É NOSSA PARTE QUE NUNCA SERÁ SUA E NUNCA PERTENCERÁ A NINGUÉM.
É NOSSA PARTE QUE NOS CONECTA COM OUTRAS MULHERES.

É esse feminino, que é conhecido como Lilith, como Madalena, como Morgana, como Senhora das Feras e como e por tantos nomes e formas, que nunca nos deixará e que está aqui, chamando todas as MULHERES PARA O DESPERTAR.

Quando uma mulher desperta, ela dá forças para que as correntes que prendem tantas sejam quebradas.
Quando uma mulher desperta, ela dá voz para que os gritos sejam ouvidos e cessados.
Quando uma mulher desperta, ela dá coragem para que as outras mulheres se libertem das prisões interiores.
Quando uma mulher desperta, ela dá espaço para que o corpo feminino seja humanizado.
Quando uma mulher desperta, ela desperta todas as nossas ancestrais e as futuras gerações.
Quando uma mulher desperta, ela liberta o masculino da obscuridade das suas próprias doenças
Quando uma mulher desperta, ela dá vida para outra mulher que tinha se afundado em depressão, pânico e desespero.
Quando uma mulher desperta, ela restaura a fé à humanidade.
Quando uma mulher desperta, todo o mundo começa a desperta.
Quando uma mulher desperta, todas as deusas despertas e são restauradas em nossos corações e almas.
Quando uma mulher desperta, o patriarcado irá ruir…

É hora de despertar. É hora de despertar. É hora de despertar.

Tudo está mudando…está mudando sim…é hora de começar a acompanhar este movimento.

A Barca da Deusa está resgatando todas e se estiver sentindo que dentro de você há um movimento de profundo despertar, que possa vir com sintomas de depressão, pânico, dores profundas no útero, vazio ou uma raiva sem controles, é porque você precisa deixar esse feminino sair!

A Barca começa sua navegação agora dia 21.07.
Eu convido você para ser sua passageira mais ilustre e necessária:

http://devishala.com.br/cursos/

Imagem: Desconhecido
_________________________________
Copyright © Todos os direitos reservados.
ATENÇÃO: A reprodução parcial ou total deste texto é protegida por Lei.
Para usar este texto entre em contato com a autora.

Pin It on Pinterest

Share This