Inicio hoje uma nova série aqui no Devi Shala – Estudos Astrológicos. Já estou há quatro anos estudando astrologia formalmente, passando pela formação completa na Gaia Astrológica e estou cada dia mais encantada com a Astrologia. Pelo campo de autoconhecimento e oportunidade de autodesenvolvimento que ela traz para nós, pela abrangência que ela pode alcançar e pela amplitude de itens, ferramentas e opções para desvendar o ser humano e norteá-lo nesta jornada que chamamos de vida! A Astrologia nos oferece um grande mapa de viagem mesmo. Um mapa para nosso interior e como este interior ressoa no céu. Pois, de acordo com um axioma hermético, “Assim como em cima, é embaixo. Assim como embaixo, é acima“. Ou seja, astrologia também é ressonância.

O que irei compartilhar com vocês, são meus estudos, minhas descobertas e conhecimentos adquiridos, mas acima de tudo, irei compartilhar minha paixão pela Astrologia. E quem sabe, juntas iremos além das linhas gerais, crenças e generalizações que se faz da astrologia por aí. Iremos também, além dos falsos mitos (inferno astral; nos tornamos nosso ascendente após os 30 anos…) que foram sendo criados, sabe-se lá de onde, e de temas que só se vê por aqui no Brasil e em nenhum outro lugar. Só quebramos mitos, como vamos de fato nos aprofundando da Astrologia, com respeito, amor e paciência. Porque é um estudo para vida toda, como ao meu ver, é absolutamente tudo ao qual você se dedica a de fato conhecer – é uma parceria, um compromisso, um casamento. Uma aliança.

 

Vamos começar pelos Planetas –

A União Astronômica Internacional define que são planetas aqueles que orbitam o sol; tem massa suficiente para ser redondo, ou quase redondo; não é um satélite (lua) de algum outro objeto e tem resíduos removidos e pequenos objetos da área ao redor de sua órbita. Os Planetas que conhecemos tem uma hierarquia e nem todos são planetas. Os planetas na Astrologia e em nossos mapas, através da visão de Freud e da psicologia representam tipos de reação, princípios e funções de caráter geral, e também símbolos de pessoas e acontecimentos.1  Assim como também personificam pulsões, forças instintivas ou impulsos específicos da psique, que buscam satisfação por meio de alguma liberação ou descarga.São forças instintivas, que buscam expressão, nosso movimento, nossos impulsos, nossas motivações mais profundas, ou seja, tudo aquilo que nos impele em direção a algo – internamente ou externamente. Os planetas revelam nossa herança coletiva e nossa conexão com a totalidade da vida, e podem nos levar a identificar melhor nossa condição humana, suas forças e fraquezas, suas alegrias  e tristezas, suas limitações e possibilidades – isto é, à noção da alma.Por isso que podem revelar tanto sobre nós. Por isso, que quando descobrimos onde os planetas estão em nosso mapa, em qual signo e quais aspectos formam, é como se nos sentíssemos compreendidas. Porque nossa alma está sendo revela, como um todo.

Porém, não possuem apenas uma dimensão. Através da visão de Jung e da psicologia, podemos ampliar e compreender ainda melhor o que os planetas são e assim sendo, como nós também somos. Do ponto de vista junguiano, os planetas personificam as imagens arquetípicas (forças desconhecidas, misteriosas, e ocultas que modelam nossas vidas e influenciam nossos pensamentos, ações e emoções) de onde emana nossa energia e pelas quais podemos conhecer os desejos e aspirações que se situam na raiz de todo comportamento humano.4

Não podemos esquecer que tanto na antiguidade, como ainda hoje, os planetas continuam não só tendo nomes de deuses e deusas, mas carregam suas qualidades, expressões e naturezas. Sendo assim, Marte continua sendo o deus da guerra, Vênus a deusa do amor, Mercúrio é o mensageiro dos deuses; Júpiter continua sendo Zeus, o regente do Olimpo e Saturno o senhor do tempo; Urano é o grande céu que se deita sobre Gaia, sobre a Terra e teve suas genitais cortadas por Saturno (Cronos) de onde nasce Afrodite (Vênus) e Netuno é Poseidon o rei dos mares e Plutão é Hades o senhor do Submundo. E isso precisa ser reconhecido, honrado e respeitado. Tanto no céu, como na terra e dentro de nós. Freud disse que “os instintos são seres mitológicos, soberbos em sua indefinição,”e é mesmo importante nos lembrarmos de que os instintos de Freud, os arquétipos de Jung e os símbolos planetários já foram vistos como deuses. Assim, que sabe nos lembremos de tratá-los e às imagens que deram origem com uma atitude de respeito e senso de responsabilidade.5

Nós temos 10 planetas que são estudados em um Mapa Astrológico, em linhas gerais: Sendo que o Sol e a Lua são chamados da Luminares ou Luzes. Porque são como instrutores internos, que definem cada um em seu respectivo domínio, o padrão interno a que aspiramos como indivíduo, retratando simbolicamente o melhor que poderia ser conseguido, como explica Liz Greene em seu livros Os Luminares. Temos também os Planetas Pessoais, que mostram as dinâmicas internas de cada indivíduo, e que são constituído por Mercúrio (expressão, comunicação e mundos das ideias e pensamentos), Vênus (O universo social e afetivo, o mundo sensorial e sensual e a anima interior), Marte (Nossa vontade, energia e impulso realizador e animus interior). Temos também, Planetas Sociais, que são compostos por Júpiter (Realização, expansão, otimismo e beneficies, fé e projeção), Saturno (Realidade, Estrutura, Limites e concretização). E fechando com os Planetas Geracionais, que são Urano (Liberdade, Ruptura, Criatividade), Netuno (Dissolução, Sublimação, Imaginação e Compreensão) e Plutão (Enfrentamento. Destruição. Poder. Transformação interior). Cada Planeta está em um signo e em uma casa e entre eles podem ou não formar aspectos, definindo e especificando qual é a relação que eles estabelecem e como nós vivenciamos elas em nossa vida.

Percebam, que muitas coisas irão personificar e particularizar cada planeta e cada dinâmica astral. Porque cada mapa é em si único – porque assim também somos nós. Então, os signos em que os planetas estão, as casas, os elementos e os aspectos que forma é que vão fazer com que você compreenda sua própria dinâmica interior. Um aspecto é a relação angular entre dois pontos nos 360o do zodíaco.Todos os planetas do horóscopo estão localizados no zodíaco, e o ângulo entre quaisquer dois planetas, dados em graus, são chamados de aspectos. 6

Há diferentes aspectos e cada um deles é uma forma de entender nossas dinâmicas internas ou ainda melhor dizendo que essas configurações planetárias são conhecidas como ‘aspectos’, relações angulares entre os planetas que possibilitam ao astrólogo avaliar as ‘cisões’ da psique, o conflito entre impulsos interiores, a batalha dos deuses. Ou seja, aqui nos descobrimos como nossos deuses e deusas interiores estão interagindo, quais desafios nos trazem e quais dádivas nos ofertam para vivermos nossa vida e nossa jornada heróica aqui na terra.

Mas, não para por aí. De acordo com a sua colocação nos elementos, mostram não somente de que modo estamos afinados com diferentes dimensões de experiência, mas também de que modo podemos entrar em sintonia, conscientemente, com tais dimensões e com aquelas energias com as quais estabelecemos um contato imediato nesses campos de atividade da vida. Os planetas representam princípios específicos de troca de energia entre o indivíduo e o suprimento universal de toda energia. Portanto, cada planeta não apenas revela um tipo de energia emitida e um impulso de expressão de um certo tipo, mas também revela uma necessidade específica de atividade e desempenho, que deve ser alimentada segundo uma determinada onda recebida. 8

E isso é só o começo porque são muitos fatores a serem considerados e é essencial ver um mapa como algo dinâmico e sistêmico, que não está parado, mas sim, em movimento em seu passo diário, enquanto os seres celeste interage transitando pelos nossos mapas. Que é complexo, riquíssimo e muitas vezes, paradoxal, ambíguo e críptico, assim como também é nossa vida. Mas, mesmo nós, seres tão complicados, estamos totalmente desnudos perante os astros, os deuses e nossas supostas complexidades. Porque quando entendemos nossos mapas natais, nossas dinâmicas e nosso interior, tudo se torna mais simples, orgânico e natural.

__________________________________________________________________________________

  1. Conhecimento da Astrologia. Manual Completo. Anna Maria Costa Ribeiro. Editora Imperial Novo Milênio
  2. Imagens da Psique – Explorando os planetas através da psicologia e do mito. Christine Valentine. Editora Siciliano
  3. Idem 2
  4. Idem 2
  5. Idem 2
  6. Planets in Aspect – Understanding your inner dynamics. Robert Pelletier. Whitford Press
  7. Idem 2
  8. Astrologia, psicologia e os quatro elementos. Stephen Arroyo. Editora Pensamento

Imagem: Gettyimages
_________________________________
Copyright © Todos os direitos reservados.
ATENÇÃO: A reprodução parcial ou total deste texto é protegida por Lei.
Para usar este texto entre em contato com a autora.

Pin It on Pinterest

Share This