Sim, nós celebramos com coroas de flores ao final da jornada da heroína, porque passamos pela coroa de espinhos, pela coroa que nos desnudou, pela coroa que trouxe a verdade, pela coroa que desiludiu das nossas mentiras, pela coroa das nossas dificuldades, pelas coroas feitas de lágrimas, pelas coroas feitas de reencontros, pela coroa ornada com discernimento, pela coroa de fogo, pela coroa de cada mulher da nossa ancestralidade, coroa de dor, coroa de amor, coroa de cura, coroa nua.

Sim, nós trabalhamos arduamente para conquistar essa coroa no final da jornada. E só quem chega ao final das 13 luas, sabe como é gratificante tê-la, recebê-la, vesti-la e merecê-la.

Porque nas flores encontramos novamente a Primavera. Renascemos. Somos uma NOVA MULHER. E essa nova mulher só se encontra nessa configuração porque ela se permitiu ser primavera. verão. outono. inverno…várias e várias vezes…quantas forem necessárias, para se refazer, depois de romper com o Patriarcado.

Só quem passa pela jornada sabe o que é e o que significa a palavra heroína. Ela não está aqui por acaso. É um chamado. É uma escolha. É aceitação. É confronto. É encontrar nas mulheres aliados. É reconhecer na Deusa sua própria força. É encontrar sua maior dádiva nas suas fraquezas e regozijar nas suas sombras. É bliss. É trabalho Herculano. É um caminho sem volta…porque é um voltar para casa.

Imagem: Acervo pessoal do Devi Shala – turma 6 da Jornada da Heroína pelas Deusas e pelo Sagrado Feminino.
__________________________________
Copyright © Todos os direitos reservados.
ATENÇÃO: A reprodução parcial ou total deste texto é protegida por Lei.
Para usar este texto entre em contato com a autora.

Pin It on Pinterest

Share This